GRAVIDEZ – QUANTAS DÚVIDAS?

FONTE: Revista O Meu Bebé

Todas as mães se deparam com um milhão de perguntas ao longo da gravidez: o que é natural, mas o mais importante é encontrar as respostas adequadas, aquelas que a fazem sentir-se mais preparada e consciente do acontecimento que se avizinha.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Estou na minha primeira gravidez e, há algumas semanas, noto ligeiras perdas de leite. Porque sucede?

É algo absolutamente fisiológico, relacionado com o início da gravidez e a produção de hormonas, entre outras; estrogénios, progesterona, relaxina e prolactina. A última encontra-se sempre no corpo da mulher, porém, durante a gravidez, aumenta até ao ponto de ser naturalmente expulsa por volta dos três ou quatro meses de gestação. Este líquido chama-se colostro e é totalmente indolor. Porque acontece? Porque as mulheres se encontram biologicamente preparadas para a lactância e produzem hormonas específicas durante os nove meses, ainda que nem sempre se verifiquem perdas de colostro.
A secreção de colostro pode manter-se até ao fim da gravidez, mas, imediatamente a seguir ao parto, a sua produção aumenta de forma decisiva. Segundo as recomendações dos especialistas, é necessário pôr a criança ao peito o mais depressa possível; logo na sala de parto, se não há complicações ou então nas 3-6 horas seguintes ao nascimento, o que incentiva a produção (já ativa) do colostro, que se mantém assim durante uns dias até surgir a primeira subida do leite.
No decorrer da toma existe um primeiro leite, mais rico em lactose, e um último, mais rico em gorduras e proteínas. Por esta razão, é importante dar o peito a demanda, e deixar que o bebé sugue durante o tempo que desejar, o que lhe permitirá garantir que o seu filho toma os dois tipos de leite.

É necessário ter algum tipo de precaução com as relações sexuais durante a gravidez?

A atividade sexual é completamente natural e fisiológica, e também durante a gestação; é um modo de manter viva a intimidade do casal. Quando o volume da barriga aumenta é necessário encontrar uma posição confortável para os dois, e é importante saber que o sexo não põe em perigo a saúde do bebé, que está protegido pelo líquido amniótico do saco onde se encontra.
É possível que o casal tenha relações com menos frequência devido a motivos psicológicos. A futura mãe pode sentir-se “ocupada” ou sem vontade. Por outro lado, o pai também pode ter a sensação de que a mulher se sente de certo modo “travada”.
É apenas em alguns casos que a atividade sexual é contraindicada por motivos médicos. Por exemplo, nos casos de malformação congénita da vagina ou pela existência de uma infeção concreta (candidíase ou tricomoníase) que deve ser diagnosticada e tratada. Existem poucas contraindicações causadas por patologias específicas da gestação, como a inserção anómala da placenta, a placenta prévia ou a incompetência cérvico-ístmica (o fecho inadequado do colo do útero) que possuem risco de parto prematuro.

 Se o bebé “chegar” de rabinho, posso ter um parto natural ou é sempre aconselhável uma cesariana?

Quando o feto se encontra numa posição anómala (neste caso, oposta à fisiológica, ou seja, a posição cefálica), normalmente é necessário recorrer a uma intervenção cirúrgica com cesariana.
O problema principal do parto podálico é que a última parte a sair do corpo materno é a cabeça do bebé. O cordão umbilical, que une o feto e a placenta, poderia ficar comprimido entre a pélvis materna e a cabeça do bebé, o que causaria sofrimento fetal, razão pela qual se aconselha a recorrer à cesariana.
No entanto, isto não ocorre se o parto se produz de forma prematura, por exemplo no sétimo mês, e a mulher chega ao hospital com uma dilatação (completa ou avançada) do colo do útero. Neste caso o parto é assistido com normalidade, já que o pequeno tamanho da cabeça do bebé reduz o risco de compressão do cordão umbilical.
De qualquer forma, se uma mulher deseja evitar uma cesariana a todo custo, pode falar com a parteira ou com o ginecologista, com o fim de avaliar a possibilidade de um parto vaginal. Depois de se informar sobre todos os riscos, benefícios, e possíveis complicações, a mãe pode decidir se deseja que um especialista tente dar a volta ao bebé, seguindo a manobra manual específica.

Espero gémeos, mas gostaria de ter um parto vaginal. Que problemas poderiam ocorrer?

Em geral, perante uma gravidez de gémeos, recomenda-se a cesariana porque, quase sempre, uma das crianças se encontra em posição podálica. A primeira poderia nascer de forma natural, mas o risco reside na necessidade de efetuar uma cesariana com o segundo bebé, razão esta que leva muitos médicos a não deixar sequer que a dilatação se inicie. A dilatação prolongada e a excessiva distensão da cavidade uterina podem expor a mãe a uma atonia pós-parto.
De resto, é difícil que uma gravidez de gémeos chegue ao seu termo, como tal, seja em caso de cesariana agendada ou de dilatação espontânea, é conveniente que o parto seja realizado num centro hospitalar que disponha de um departamento de obstetrícia e ginecologia preparados, assim como de uma unidade de neonatologia, para possíveis complicações.
Porém, é importante destacar que também há algumas exceções, e que existem alguns partos espontâneos de gémeos que chegam ao seu termo. Nestes casos específicos, é importante o facto de a mãe se decidir pelo parto vaginal, assim como o peso das crianças não ser excessivo, para além de se encontrarem em posição cefálica.

Estou nas primeiras semanas de gravidez e sinto ligeiras contrações uterinas. Quando devo ir ao médico?

No início da gravidez, entre as cinco e as nove semanas, a futura mãe pode notar uma sensação semelhante à da menstruação. Trata-se de contrações uterinas que, na maioria dos casos, servem para facilitar a implantação do óvulo.
Pelo contrário, deve procurar o médico se sofre perdas de sangue. Ainda que estas não sejam necessariamente o sintoma de um problema (podem dever-se exactamente à implantação do óvulo) é sempre melhor ser avaliado.
Outro sintoma, que normalmente surge no início da gravidez, é a tensão e o inchaço do peito, tal como muitas vezes sucede durante a menstruação. Não obstante, no caso da gestação, o peito não desincha em poucos dias, pelo contrário, irá aumentar o seu volume e ficará mais sensível.

Tenho medo de sofrer no parto. Qual é o modo mais eficaz para reduzir a dor?

Se a futura mãe tiver uma parteira ao seu lado durante a dilatação, e sabendo que pode contar com a sua presença durante a gravidez, terá um maior controle na percepção da dor.
Por outro lado, existem métodos naturais, que não da medicina, entre os que se encontra a possibilidade de andar e adotar posições específicas para atenuar a sensação de dor. Também se pode optar por efetuar a dilatação na água ou servir-se de objetos como uma bola ou um pequeno banco, que ajudam a suportar o sofrimento de modo ativo.
Claro que pode sempre pedir a anestesia epidural. Neste caso será um parto natural com apoio médico, ainda que isto não signifique que não se dê à luz por via vaginal, mas sim que se colocará um cateter na mãe, que o controle do ritmo cardíaco do bebé e das contrações será mais exaustivo, e que a dilatação será mais prolongada. No entanto, o efeito da anestesia é subjetivo, e nem todas as mulheres o sentem do mesmo modo.
De qualquer forma, pode experimentar começar o parto de modo natural, para saber se a dor da dilatação é realmente insuportável ou se é possível enfrentá-la com técnicas naturais. No caso de ser demasiado duro, pode pedir a intervenção do anestesista epidural durante a segunda fase do parto.

Estou no primeiro trimestre e sinto-me sempre cansada, especialmente de manhã. É normal?

Durante este período, o cansaço é o resultado de um enorme envolvimento emocional. São inúmeras as transformações que afetam todo o organismo, e não apenas o útero. A nível psicológico, a futura mãe reflete sobre as importantes alterações que está a viver, inclusive antes que a barriga seja evidente.
A sonolência do primeiro trimestre (absolutamente normal) será ultrapassada por volta dos quatro meses, de forma totalmente natural.

FONTE: Revista O Meu Bebé

Deixe aqui o seu comentário...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.